terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Técnicos da Defesa Civil de Petrópolis Participam de Curso Sobre Mapeamento de Risco


Técnicos da Defesa Civil participam de curso japonês sobre mapeamento de risco
A Secretaria de Proteção e Defesa Civil participou, na última semana, em Nova Friburgo, de curso sobre mapeamento de risco da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica).
A proposta do curso foi trazer para a realidade brasileira a metodologia japonesa sobre como calcular as áreas onde há risco ou alto risco de deslizamentos. Em março haverá novo curso sobre o tema.
O curso faz parte da parceria de quatro anos, iniciada no fim de 2013, entre o governo brasileiro e o Japão para a prevenção de desastres das chuvas em Petrópolis, Nova Friburgo e Blumenau (SC). 
Participaram cerca de 20 pessoas, entre técnicos dos três municípios, do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e do Serviço Geológico do Estado do Rio (DRM-RJ).
“Essa parceria vem avançando muito e já está claro que é promissora. Depois de pouco mais de um ano de convênio, com visitas técnicas entre os dois países, já vemos os nossos técnicos aumentarem o nosso conhecimento acumulado sobre mapeamento de risco, alerta antecipado e planejamento urbano, o que possibilitará novas medidas para a redução de riscos de desastres das chuvas em Petrópolis”, disse o secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão.
De Petrópolis, fizeram o curso o diretor técnico da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, engenheiro Ricardo Branco, e o geólogo Yuri Garin. Os dois estiveram no Japão em 2014, onde aprenderam essa metodologia japonesa, em viagem custeada pela Jica.
“Iniciamos nesta semana esse processo de adaptação de metodologia para a nossa realidade. É uma metodologia que já tínhamos aprendido no Japão. 
No curso em Friburgo, fizemos um trabalho de escritório, analisando o mapeamento já existente no município, e depois fomos a campo, analisando alguns pontos da cidade onde houve quedas de blocos rochosos e corrida de massa para aplicarmos a metodologia japonesa”, disse Ricardo Branco.
Essa metodologia consiste em uma fórmula matemática que, a partir das características do solo e das construções da região, calcula a quantidade de terra que pode se deslocar por causa das chuvas e o alcance desse deslizamento. 
No Japão, os técnicos da Defesa Civil viram que, nas áreas apontadas como sendo de alto risco, é permitida a existência de casas, desde que os proprietários realizem intervenções estruturais para proteger as moradias de deslizamentos.
Por Hoje, é Só! Fiquem a Vontade para Curtir, Compartilhar, Twittar, Fazer Comentários ou Dar Sugestões.



Referências:
http://www.petropolis.rj.gov.br/pmp/index.php/imprensa/noticias/item/3101-t%C3%A9cnicos-da-defesa-civil-participam-de-curso-japon%C3%AAs-sobre-mapeamento-de-risco
http://www.petropolis.rj.gov.br/dfc/
https://www.facebook.com/defesacivilpetropolis