quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Dicas Simples de Segurança para Fogos de Artifícios

            

Sabemos de longa data, que virou tradição no Brasil soltar Fogos de Artifício, principalmente na virada de um ano para outro, mas com isso houve um aumento considerável de pacientes com queimaduras nos hospitais.

Vamos conhecer um pouco acerca dos Fogos de Artifício:

Os Fogos de Artifício são explosivos dotados de um pavio para iniciar a combustão. A combustão inicial provoca a rápida ascensão do foguete, que a certa altura explode violentamente. 

Eles são usados em festas populares ou celebrações para criar um efeito ruidoso ao acontecimento, e como meio de aviso de que algum acontecimento está iniciando ou terminando.


Os Fogos de Artifício são identificados por classe, como pode ser visualizado abaixo:

CLASSE A - Fogos de vista com ausência de estampido com até 20 centigramas de pólvora. Podem ser utilizadas por crianças acima dos 12 anos, desde que acompanhadas pela supervisão de um adulto.

Exemplos: Balões pirotécnicos, bombinhas etc.

CLASSE B - Fogos de artifício com estampido entre 21 e 25 centigramas de pólvora.

Exemplos: "Pots-a-feu", "morteirinhos de jardim", "serpentes voadoras" e equivalentes.

CLASSE C - Fogos de artifício com estampido entre 25 centigramas e 2,5 gramas de pólvora. De acordo com a definição do Regulamento R-105, não podem ser comprados por menores de 18 anos e sua queima depende de licença da autoridade competente, com hora e local previamente designados, nos casos de festa pública, em qualquer local, ou dentro do perímetro urbano.

Exemplos: Rojões com ou sem flecha, rojões com ou sem vara, etc.

CLASSE D - Fogos com estampido acima de 2,5 gramas de pólvora.

Exemplos: Baterias, morteiros etc.

Vejam o que diz o Decreto n° 3.665, no seu Artigo 1° Este Regulamento tem por finalidade estabelecer as normas necessárias para a correta fiscalização das atividades exercidas por pessoas físicas e jurídicas, que envolvam produtos controlados pelo Exército.

Parágrafo único. Dentre as atividades a que se refere este artigo destacam-se a fabricação, a recuperação, a manutenção, a utilização industrial, o manuseio, o uso esportivo, o colecionamento, a exportação, a importação, o desembaraço alfandegário, o armazenamento, o comércio e o tráfego dos produtos relacionados no Anexo I a este Regulamento.

Art. 3° Para os efeitos deste Regulamento e sua adequada aplicação, são adotadas as seguintes definições:

XXV - artifício de fogo: dispositivo pirotécnico destinado a provocar, no momento desejado, a explosão de uma carga;

XXVI - artifício pirotécnico: designação comum de peças pirotécnicas preparadas para transmitir a inflamação e produzir luz, ruído, incêndios ou explosões, com finalidade de sinalização, salvamento ou emprego especial em operações de combate;

O Brasil é o segundo maior produtor mundial de fogos de artifício, atrás apenas da China. O município de Santo Antônio do Monte na região Centro-Oeste de Minas Gerais é o maior polo de produção do país. 

Santo Antônio do Monte produz e desenvolve fogos de artifício desde as matérias-primas de base, executando vários processos produtivos até o produto final. Ele é responsável por aproximadamente 51% da produção brasileira de fogos de artifício.

Abaixo, Citarei Algumas Simples Dicas que irão minimizar ou prevenir possíveis acidentes, São Elas: 


* Jamais carregar bombinhas no bolso;

* Nunca acender rojões próximos ao rosto;

* Não reaproveitar bombinhas ou rojões que falharam;

* Toda vez que terminar uma queima de fogos, jogue os artefatos em um balde de água para evitar que eles sejam reutilizados.

* Prender o rojão em uma armação e afastar-se na hora de acender;

* Nunca associar bebida alcoólica com o uso de fogos e nem entregar fogos de artifício a crianças, pessoas alcoolizadas ou pessoas inabilitadas para o uso;

* Manter as crianças afastadas do local;

* Compre fogos de artifício apenas em lugares especializados e evite a aquisição junto a camelôs;

* Observe se os estabelecimentos comerciais que vendem esse tipo de mercadoria têm licença de funcionamento da prefeitura. Observe ainda, se no local há restrição de venda dos fogos, de acordo com a idade;


* Pesquisar lojas de confiança que estão há muito tempo no ramo, que vendam artefatos com o selo do Inmetro e com manual de instruções.

* Atente para o tipo e a quantidade de pólvora existente no produto, pois quanto mais pólvora, maior é a periculosidade e potência do mesmo;

* Seguir atentamente as instruções do fabricante (transporte, uso, armazenamento, composição, data de validade e os riscos que os fogos podem causar). Além disso, essas informações devem estar em língua portuguesa, mesmo que o produto seja importado, e de maneira clara, precisa e ostensiva nas mercadorias, conforme o artigo 6º do Código de Defesa do Consumidor;


* Ao armazenar os fogos, deixe-os em locais onde eles não entrem em contatos com fogões, isqueiro, fósforos e até mesmo fumantes, que podem ocasionar o acendimento acidental.

* Sempre que for utilizar, é preciso manter uma distância de 20 metros de pessoas, edificações e veículos.

* Não solte fogos perto de hospitais, sob copas de árvores ou perto de fiações elétricas;

* Prefira soltar os fogos de artifício em locais abertos, de preferência em áreas amplas e sem vegetação por perto;

* Nunca aponte para pessoas e verifique se não existem materiais combustíveis nas proximidades;


* Em caso de queimaduras, o local queimado deve ser lavado com água corrente e enrolado num pano ou toalha limpa. Em caso de acidentes mais graves, os Bombeiros devem ser acionados pelo telefone (193).

* Atente para a classificação por idade e habilitação de cada tipo de fogos de artifício.

Por hoje é só! Fiquem a vontade para Curtir, Compartilhar, Twittar, Fazer Comentários ou Dar Sugestões.