sábado, 19 de julho de 2014

Conhecendo o Marco de Ação de Hyogo - Parte 2/2

             


Daremos Continuidade com a nossa Segunda e Última Parte. Esperamos que tenham gostado até aqui.

Quarto, Quem São os Encarregados da Redução do Risco de Desastres e da Implementação do Marco de Hyogo? A colaboração e a cooperação São Elementos Essenciais para a Redução dos Riscos de Desastres: Os Estados, os Entes e Instituições Regionais, e as Organizações Internacionais devem desempenhar um papel importante nesta tarefa.

Assim mesmo, a sociedade Civil, incluindo os voluntários e as Organizações de base, a Comunidade Científica, os Meios de Comunicação e o Setor Privado são Atores Essenciais. Segue abaixo, uma Mostra da Variedade e Diversidade dos Atores e Suas Responsabilidades:

Os Estados:

• Desenvolver Mecanismos Nacionais de Coordenação;

• Conduzir Avaliações de Referência Sobre a Situação da Redução do Risco de Desastres;

• Publicar e Atualizar Resumos dos Programas Nacionais;

• Revisar o Progresso Nacional Alcançado na Consecução dos Objetivos e as Prioridades do Marco de Ação de Hyogo;

• Se Ocupar da Aplicação de Instrumentos Jurídicos Internacionais relevantes; e


• Integrar a Redução dos Riscos de Desastres as Estratégias Sobre Mudança Climática.

As Organizações Regionais: 

• Promover Programas Regionais para a Redução dos Riscos de Desastres;

• Empreender e Publicar Avaliações de Referência nos Planos Regionais e Sub-regionais;

• Coordenar os Processos de Revisão Sobre o Processo alcançado na Implementação do Marco de Ação de Hyogo;

• Estabelecer Centros Regionais de Colaboração;

• Oferecer seu Apoio ao Desenvolvimento de Mecanismos Regionais de Alerta Prévio;

* As Organizações Internacionais:

• Fomentar a integração da Redução de Riscos de Desastres nos Programas e Marcos de Assistência Humanitária e do Desenvolvimento Sustentável;

• Fortalecer a Capacidade do Sistema das Nações Unidas de Oferecer Assistência aos Países em Desenvolvimento Propensos aos Desastres mediante Iniciativas para a Redução de Riscos de Desastres;

• Oferecer apoio na Recompilação dos Dados e a Elaboração de Prognósticos, o Intercâmbio de Experiências e os Sistemas de Alerta Prévio;

• Respaldar os Esforços do Estado mediante uma Assistência Internacional Coordenada; e

• Fortalecer a Capacitação e o Desenvolvimento de Capacidade em torno da Gestão de Desastres.

O Sistema da Estratégia Internacional para a Redução de Desastres (EIRD): 

• Desenvolver uma Matriz dos Papéis a serem Desempenhados e das Iniciativas Relacionadas com o Marco de Hyogo;

• Facilitar a Coordenação de Ações tanto em Nível Internacional como Regional;

• Desenvolver Indicadores de Progresso alcançado para Prestar Assistência aos Estados na Verificação do Avanço da Implementação do Marco de Hyogo;

• Oferecer Seu Apoio às Plataformas e aos Mecanismos Nacionais de Coordenação;

• Fomentar o Intercâmbio das Melhores Práticas e Lições Aprendidas; e

• Efetuar Revisões Sobre o Progresso alcançado na Consecução dos Objetivos do Marco de Ação de Hyogo


Portanto, empregando todas essas Ações do Marco de Ação de Hyogo, teremos uma Sociedade bem mais preparada,  para responder em situações adversas.


Chegamos ao fim dessa Série de 2 Partes acerca do Marco de Ação de Hyogol. Esperamos que tenham gostado. Fiquem a Vontade para Curtir, Compartilhar, Fazer Comentários ou Dar Sugestões. Vejo Vocês aqui Novamente. Até.......













Referências:
http://www.eird.org/search/index.html?q=marco%20de%20acao%20de%20hyogo
http://www.defesacivil.cursoscad.ufsc.br/avea/file.php/9/Livro_DefesaCivil_5ed_Unidade_3_Revisado.pdf
http://www.integracao.gov.br/cidadesresilientes/pdf/mah_ptb_brochura.pdf
http://www.defesacivil.pb.gov.br/marco-de-hyogo
http://www.revistaemergencia.com.br/noticias/geral/defesa_civil_participa_de_encontro_sobre_o_marco_de_hyogo/AJyJAAja