terça-feira, 20 de outubro de 2015

Entendendo o Sistema de Comando em Operações - Parte 1/5

            Resultado de imagem para Sistema de Comando em Operações

O Sistema de Comando em Operações é uma Ferramenta Gerencial para Comandar, Controlar e Coordenar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo um meio de articular os esforços de agências individuais quando elas atuam com o objetivo comum de:

* Estabilizar uma situação crítica;

* Proteger vidas;

* Propriedades; e o 

* Meio ambiente.

O SCO adotado pela Defesa Civil de Santa Catarina é baseado no Incident Command System (ICS), criado e desenvolvido nos Estados Unidos da América.

O ICS foi desenvolvido nos anos 70, em resposta a uma série de incêndios florestais que praticamente destruíram o sudoeste da Califórnia.

Naquela ocasião, as autoridades de Municípios, de condados e do próprio Governo Estadual colaboraram para formar o FIrefighting RESources of California Organized for Potential Emergencies (FIRESCOPE).

Após analisar os resultados desastrosos da atuação de órgãos e jurisdições naquele episódio, o FIRESCOPE concluiu que o maior problema não estava na quantidade nem na qualidade dos recursos envolvidos.

Havia muitos caminhões, muitas aeronaves e muitos equipamentos. Havia também muitos bombeiros, policiais e voluntários, na maioria bravos e competentes. O problema, concluiu-se, estava na dificuldade em coordenar as ações de diferentes Órgãos e Jurisdições de maneira articulada e eficiente. 

O FIRESCOPE identificou vários problemas comuns sobre respostas a eventos envolvendo múltiplos órgãos e circunscrições, Tais Como:

􀀘 * Falta de uma estrutura de comando clara, definida e adaptável às situações;

􀀘 * Dificuldade em estabelecer prioridades e objetivos comuns;

*􀀘 Falta de uma terminologia comum entre os órgãos envolvidos;

􀀘* Falta de integração e padronização das comunicações; e

*􀀘 Falta de planos e ordens consolidados.

O esforço para resolver essas dificuldades resultou no desenvolvimento do modelo do ICS. Apesar de ter sido originalmente desenvolvido em resposta aos incêndios florestais, o ICS mostrou-se um sistema apropriado para todos os tipos de emergências e desastres.

Dessa forma, o ICS passou a ser o sistema recomendado pela Federal Emergency Management Agency (FEMA) para o gerenciamento de todos os tipos de emergências e desastres. 

O ICS foi incluído então no National Interagency Incident Management System (NIIMS), ou Sistema Nacional de Gerenciamento entre Agências em Incidentes.

O SCO Pode Ser Utilizado para Responder a Vários Tipos de Situações Críticas, Incluindo:

􀀘 * Acidentes com produtos perigosos;

􀀘* Resposta a desastres naturais;

*􀀘 Operações policiais envolvendo outros órgãos;

*􀀘 Incêndios florestais;

*􀀘 Acidentes com múltiplas vítimas;

*􀀘 Operações de busca e salvamento; e

*􀀘 Acidentes envolvendo várias jurisdições.

A Estrutura Principal do SCO é Constituído Por: 

* Comando;

* Staff do Comando; e 

* Staff Principal.

Comando:


O Comando é Responsável pelas Ações como um Todo, e Estabelece os Objetivos e Prioridades para a Operação.

Staff Principal


Operações – Conduz as ações necessárias para alcançar as prioridades e os objetivos estabelecidos.

Planejamento – Desenvolve o Plano de Ação, que reúne e avalia as informações relativas à situação e ao conjunto de recursos envolvidos.

Logística – Fornece o suporte material para a implantação do Plano de Ação, além de prover os recursos e serviços necessários para dar suporte ao pessoal envolvido nas operações.

Administração – Efetua compras e locações, monitora e registra os custos relacionados às operações e controla o emprego dos recursos humanos.

Cada uma dessas funções pode se desdobrar em sucessivos níveis de autoridade e responsabilidade, de acordo com a necessidade determinada pela situação.

Staff do Comando:


Da mesma forma como pode delegar as funções principais do SCO, o Comando pode também delegar algumas atribuições mais específicas, ativando funções diretamente ligadas à sua atuação. Essas funções são denominadas Staff do Comando.

Segurança:

É responsável pela avaliação e gerenciamento dos riscos envolvidos nas atividades que são realizadas, fiscalizando procedimentos de segurança e uso de equipamentos de proteção, monitorando perigos, entre outros aspectos.

Ligações:

Serve de ponto de contato com os órgãos governamentais e não governamentais, bem como entidades voluntárias, que são chamados a auxiliar em alguma etapa da operação, mas que não farão parte do SCO.

Porta-voz:

O Porta-voz é responsável pelos contatos com a mídia em nome do SCO.

Secretário:

O Secretário auxilia o Comando com a preparação e registro de reuniões, organização do Posto de Comando e outras atividades de assessoria direta ao Comando.

Por hoje é só! Espero vocês no Próximo Post. Fiquem a Vontade para Curtir, Compartilhar, Twittar, Fazer Comentários ou Dar Sugestões. Vejo Vocês em Breve. Até........






Referências:
http://ufsc.br/
DAFT, Richard. Organizações: Teoria e Projetos. São Paulo: Pioneira Thomsom

Learning Ltda, 2002.
EMERGENCY MANAGEMENT INSTITUTE. Incident Commando System for
Law Enforcement Agency. Washington, 1999.
AMERICAM RED CROSS. Emergency Managenment Guide for Business &
Industry. Washington D.C., 1999.
BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Secretaria Nacional de Defesa Civil.
Redução das Vulnerabilidades aos Desastres e Acidentes na Infância. 2. ed.
Brasília: MI, 2002.
CASTRO, Antônio Luiz Coimbra de. Manual de Planejamento em Defesa Civil.
Brasília: MI, 1999, Vol. I.