sábado, 14 de março de 2015

Entendendo o Mapeamento do Risco geológico


O Mapeamento do Risco Geológico consiste em um polígono (delimitado sobre imagens/fotografias) envolvendo uma parte de uma encosta ou planície de inundação com potencial para sofrer algum tipo de processo natural ou induzido, que possa causar danos.
Em seguida, são elaborados os mapas de setorização com fotos relativas às rupturas e aos indícios observados no terreno e moradias, além de outras estruturas urbanas em risco. 
O Mapa contém, ainda, a descrição da tipologia do processo e todas as informações para o entendimento das condições das rupturas.
Depois disso é estimado o número de moradias e pessoas afetadas ou passíveis de serem afetadas. 
Também são indicadas as intervenções estruturais e não estruturais, tais como:
* Obras de Contenção, Drenagem, Educação Ambiental, Remoção ou Relocação de Moradores e Moradias, Entre Outras Intervenções.
O Polígono envolvendo as moradias que estão sob riscos é gerado na etapa de geoprocessamento. 
No ambiente de Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são adotados os seguintes parâmetros cartográficos: 
* Sistema de Projeção: UTM; Datum: WGS-84. 
Posteriormente os dados são convertidos para coordenadas geográficas para encaminhamento ao Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN).
A Finalização dos trabalhos é efetuada por meio da transferência do conhecimento para os representantes do Município e da Defesa Civil, com apresentações e disponibilização dos mapas em arquivos do tipo PDF (impresso e digital), bem como os dados vetoriais e base de dados para o próprio município, para o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), Ministério das Cidades e outros órgãos e instituições integrantes do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais do governo federal.
Como funciona
Os 821 Municípios considerados prioritários pelo governo federal receberão as ações. 
Esses Municípios foram escolhidos a partir de critérios específicos, como recorrência de:
* Inundação, Enxurradas e Deslizamentos, Número de Óbitos, Desabrigados e Desalojados, registrados nos últimos 20 anos.

Por Hoje, é Só! Fiquem a Vontade para Curtir, Compartilhar, Twittar, Fazer Comentários ou Dar Sugestões.









Referências:
http://www.brasil.gov.br/observatoriodaschuvas/mapeamento/risco-geologico.html