quinta-feira, 26 de junho de 2014

Conhecendo Alguns Conceitos de Defesa Civil - Parte 2/4

           

Daremos Continuidade com a Segunda Parte, lembrando que são 4 partes.

* SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA,  É a Situação de Alteração Intensa e Grave das Condições de Normalidade em um Determinado Município, Estado ou Região, Decretada em Razão de Desastre, Comprometendo "Parcialmente" sua Capacidade de Resposta;

* ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA, É a Situação de Alteração Intensa e Grave das Condições de Normalidade em um Determinado Município, Estado ou Região, Decretada em Razão de Desastre, Comprometendo "Substancialmente" sua Capacidade de Resposta;

* AÇÕES DE SOCORRO, São ações Imediatas de Resposta aos Desastres com Objetivo de Socorrer a População Atingida, Incluindo a Busca e o Salvamento, os Primeiros Socorros, o Atendimento Pré-Hospitalar e o Atendimento Médico e Cirúrgico de Urgência entre Outras Ações estabelecidas pelo Ministério da Integração Nacional;

* AÇÕES DE ASSISTÊNCIA ÀS VITIMAS, São Ações Imediatas Destinadas a Garantir Condições de Incolumidade e de Cidadania aos Atingidos, Incluindo o Fornecimento de Água Potável, a Provisão e os Meios de Preparação de Alimentos, o Suprimento de Material de Abrigamento, de Vestuário, de Limpeza e de Higiene Pessoal, a Instalação de Lavanderias, Banheiros, o Apoio Logístico às Equipes Empenhadas no Desenvolvimento dessas Ações, a Atenção Integral à Saúde, ao Manejo de Mortos, entre outras Ações Estabelecidas pelo Ministério da Integração Nacional;

AÇÕES DE RESTABELECIMENTO DE SERVIÇOS ESSENCIAIS São  Ações de Caráter Emergencial Destinadas ao Restabelecimento das Condições de Segurança e Habitabilidade da Área Atingida pelo Desastre. Contempla também a Execução de Obras Provisórias e Urgentes, de Baixo Custo. 

Entre elas: Construção de Acessos Provisórios como Alternativa a Trechos Interrompidos; Desmontagem de Edificações e de Obras de Arte com Estruturas Comprometidas; o Suprimento e Distribuição de Água Potável e Energia Elétrica, Serviços de Limpeza Urbana, Drenagem das Águas Pluviais, Transporte Coletivo; e a Desobstrução e Remoção de Escombros;

 AÇÕES DE RECONSTRUÇÃO, É um  Conjunto de Ações Desenvolvidas Após as Operações de Resposta ao Desastre e Destinadas a Recuperar a Infraestrutura e a Restabelecer, em sua Plenitude, os Serviços Públicos, a Economia da Área, o Moral Social e o Bem-estar da População. 

A reconstrução Confunde-se com Prevenção, na Medida em que Procura: Reconstruir os Ecossistemas; Reduzir as Vulnerabilidades; Racionalizar o Uso do Solo e do Espaço Geográfico; Relocar Populações em Áreas de Menor Risco; Modernizar as Instalações e Reforçar as Estruturas;

* AÇÕES DE PREVENÇÃO, É o Conjunto de Ações Destinadas a Reduzir a Ocorrência e a Intensidade de Desastres Naturais ou Humanos, Através da Avaliação e Redução das Ameaças e/ou vulnerabilidades, Minimizando os Prejuízos Sócio-econômicos e os Danos Humanos, Materiais e Ambientais. Implica a Formulação e Implantação de Políticas e de Programas, com a Finalidade de Prevenir ou Minimizar os Efeitos de Desastres. 

A Prevenção Compreende: a Avaliação e a Redução de Riscos de Desastres, Através de Medidas Estruturais e Não-estruturais. Baseia-se em Análises de Riscos e de Vulnerabilidades e Inclui também Legislação e Regulamentação, Zoneamento Urbano, Código de Obras, Obras Públicas e Planos Diretores Municipais;

*  AVALIAÇÃO DE RISCO, É a Metodologia que permite identificar uma ameaça, caracterizar e estimar sua importância, com a finalidade de definir alternativas de gestão do processo. Compreende:

1) Identificação da Ameaça - Identificação do Agente ou Evento Adverso, de seus Efeitos Desfavoráveis, Corpos Receptivos, População Vulnerável e Condições de Exposição à mesma;

2) Caracterização do Risco - Descrição dos diferentes Efeitos potenciais Relacionados com a Ameaça, Enumeração dos Danos esperados para a Saúde, o Patrimônio, Instalações, Serviços, Instituições e para o Meio Ambiente; Quantificação e Definição da Proporção, através de Estudos Epidemiológicos e de Modelos Matemáticos, entre a Magnitude do Evento e a Intensidade dos Danos Esperados (Causa/efeito); Definição da Área e da População em Risco;

3) Avaliação da Exposição - Estudo da Evolução do Fenômeno, considerando-se a variável tempo; Definição de Parâmetros que Permitam o Acompanhamento do Fenômeno; Definição das Variações e Médias de Longo Período (MLP), Relacionadas com o Evento, e dos Níveis de Alerta e Alarme. Quando for o caso, Quantificar o Nível Diário de Exposição de um Grupo Populacional ao Risco;

4) Estimativa de Risco - Conclusão (Após comparação da caracterização do Risco e da Definição da Relação entre a Causa e o Efeito com os Dados obtidos da Avaliação da Exposição) sobre a Importância do Risco a que uma Área ou um Grupo Populacional Específico está submetido; e

5) Definição de Alternativas de Gestão - Processo que Consiste em Desenvolver e Analisar Alternativas, com o Objetivo de Controlar e Minimizar os Riscos e as Vulnerabilidades Relacionadas com o Ambiente e com o Grupo Populacional em Estudo.

Pôr hoje, é só, mas vejo vocês no nosso Terceiro Artigo. Fiquem a vontade para Curtir, Compartilhar e Dar Sugestões. Até a Próxima.....








Referências:
http://www.defesacivil.cursoscad.ufsc.br/avea/course/view.php?id=9
http://www.defesacivil.cursoscad.ufsc.br/avea/file.php/9/Livro_DefesaCivil_5ed_Unidade_1_Revisado.pdf
http://esdec.defesacivil.rj.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=115&Itemid=91
http://esdec.defesacivil.rj.gov.br/images/documentos/2_glossario.pdf