sábado, 27 de setembro de 2014

Incêndios Destroem 11 Hectares de Mata Atlântica


Chamas Atingiram Região do Manga Larga e do Vale das Videiras, em Paty do Alferes.

Cerca de Sete Hectares de Mata Atlântica Foi Destruído em Incêndio na localidade do Manga larga, em Itaipava.

O Fogo teve início na tarde da segunda-feira (22) e só foi controlado nesta quinta-feira (25). Ontem, no Vale das Videiras, em Paty do Alferes, labaredas de até oito metros assustaram os moradores da região e atingiram quatro hectares.

O total de área afetada nessa semana corresponde a 11 mil metros quadrados, ou 11 campos de futebol. 

* Mobilização contra chamas em Itaipava *

 De acordo com Ricardo Ganem, Chefe da Unidade de Conservação da Reserva Biológica (Rebio) de Araras, os guardas-parque do Instituto Estadual do Ambiente (INEA) contaram com a ajuda dos bombeiros militares do Destacamento do 15º GBM de Itaipava.

Os proprietários e funcionários de sítios e fazendas da região também participaram do combate às chamas.

- O fogo estava entre Bonsucesso, Itaipava e Araras. Os guardas-parque do INEA entraram por Araras e os bombeiros militares pelo Manga Larga, de forma que cercamos o fogo. 

Foram três dias de combate mais hoje, graças a Deus, a situação está sob controle. – afirmou Ganem.

Após trabalho de rescaldo na região afetada não foi constatado qualquer reignição das chamas. O chefe da Rebio-Araras acredita que a mudança climática recente contribuirá para que não ocorram novos incêndios nos próximos dias.

- Graças a Deus as condições climáticas melhoraram. Estamos registrando grande nebulosidade, baixa temperatura e o aumento da umidade relativa do ar. Isso deve inibir a reignição das chamas. – ponderou.

 * Rebio-Araras apoia operação no município vizinho * 

Na região do Vale das Videiras, mas já em Paty do Alferes, a queimada atingiu o estágio de “fogo de copa”, em decorrência das chamas de até oito metros de altura, que atingiam o topo das árvores.

Segundo Ricardo Ganem, o combate na região foi mais arriscado, porque havia risco de queda de galhos. Eles foram ao local para dar apoio ao Destacamento dos Bombeiros Militares 3/22 de Miguel Pereira.

- Atuamos lá porque era Um Incêndio Florestal, mas foi muito distante da Reserva. Fomos ajudar, porque as pessoas estavam com medo também.

Os Bombeiros vieram com caminhão d’água, mas não conseguíamos chegar até as chamas, porque estavam muito fortes e havia o risco da queda de galhos. Por isso trabalhamos com a linha fria, molhando a área ao redor do fogo para impedir que ele avançasse. Essa linha é que foi resfriando e extinguindo as chamas. – relatou Ricardo Ganem.

Ele afirmou ainda que, após Análise do Terreno Afetado, não Foi Constatado Reinício do Incêndio.

 * Quatro grandes incêndios em setembro * 

A Região Serrana Registrou Quatro Grandes Incêndios em Setembro. Além dos dois últimos, no Mangalarga e em Paty do Alferes, dois outros atingiram áreas de proteção ambiental no início do mês. 

Um deles teve início do dia 14, na localidade do Poço dos Peixes, dentro da APA-Petrópolis, também em Araras, e destruiu 10 hectares ao seguir em duas vertentes:

* Uma em direção ao Buraco do Sapo, próximo à Fazenda Inglesa, e a Outra na Estrada do Bombaça.

A Outra Queimada Atingiu 50 hectares no Vale do Jacó, no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso), também em Petrópolis. Segundo a equipe de brigadistas que atuou no local, o incêndio começou no dia 12, no km 19 da BR-495, que liga a cidade à Teresópolis.

71 hectares Destruídos pelas queimadas em setembro 

Legenda: INCÊNDIO foi contido após três dias com a união de guardas-parque, bombeiros e a população local 










Referências:

http://diariodepetropolis.com.br/Destaque.aspx?c=00005