terça-feira, 27 de maio de 2014

Defesa Civil Municipal do Rio de Janeiro Conclui Segundo Simulado Noturno Para Chuvas Fortes



A Defesa Civil Municipal, realizou na noite de hoje, dia 21 de maio, no Morro do Salgueiro, na Tijuca, o 2° exercício simulado noturno de desocupação do Sistema de Alerta e Alarme para chuvas fortes da cidade. Esse exercício ajuda a capacitar a população para agir de forma segura em situações de grande dificuldade, com pouca visibilidade e em horário de maior probabilidade de temporais.

As duas sirenes da comunidade, que informam sobre a possibilidade de deslizamentos, foram acionadas às 19 horas e os moradores de 55 residências, que ficam na área de maior risco da comunidade, foram orientados por 45 técnicos da Defesa Civil a deixarem suas casas e se dirigirem aos pontos seguros pré-definidos pela Prefeitura do Rio.

"O exercício foi muito satisfatório e teve uma grande participação, inclusive, de famílias que não vivem em áreas de risco. Isso porque compareceram mais de 80 famílias ao nosso ponto de apoio e, atualmente, temos um número de 55 residências em área com maior risco de deslizamento no Salgueiro. Esse número já foi de 110 residências, mas diminuiu com obras realizadas na comunidade", disse Marcio Motta, subsecretário da Defesa Civil Municipal.

O primeiro simulado noturno da cidade aconteceu em outubro de 2012, no Morro da Formiga.  O Morro do Salgueiro já passou por outros dois simulados diurnos, em setembro de 2011 e novembro de 2012, e um acionamento real em janeiro de 2013.

"Todas as comunidades do Sistema de Alerta e Alarme já passaram por simulados diurnos, mas é importante a realização de treinamentos noturnos que são mais próximos da realidade, pois a predominância das chuvas fortes acontece no fim da tarde e início da noite. Isso aumenta a probabilidade de deslizamento durante a madrugada por conta do solo encharcado. Geralmente, nesse horário, os moradores estão menos atentos ou estão dormindo e há pouca visibilidade para deixarem suas casas. Por isso, esse treinamento é fundamental", destaca Marcio Motta.

O sistema de alerta e alarme é acionado diretamente do Centro de Operações Rio, caso a Defesa Civil e o Alerta-Rio identifiquem que as chuvas chegaram a níveis críticos, com grande acumulado de água que pode provocar deslizamentos nestes locais. Nessas ocasiões, os agentes e as lideranças locais recebem mensagens (torpedos) nos aparelhos celulares cedidos pela Prefeitura e orientam os moradores.

Os agentes e líderes comunitários recebem também um relatório fotográfico da sua área e uma cartilha com orientações. Os moradores das áreas também ganham material educativo para orientá-los e familiarizá-los sobre o funcionamento do sistema.

O Sistema de Alerta e Alarme Comunitário foi implantado, em janeiro de 2011, em comunidades da cidade do Rio apontadas pela Geo-Rio como locais com probabilidade de alto risco de deslizamento. Atualmente, 103 comunidades contam com 166 aparelhos e 150 pontos de apoio. Desde a implantação, não há registro de óbitos por deslizamentos na cidade. A Defesa Civil também já capacitou mais de 5 mil agentes comunitários e já realizou 21 exercícios simulados de desocupação.









Referências:
http://www.rio.rj.gov.br/web/defesacivil/exibeconteudo?id=4742370